quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Que tal fazer de 2011 o “Ano Menos?”

Ricardo Kotscho - Balaio do Kotsho
Desde pequenos, somos ensinados a querer ter e ser sempre mais. Assim, em todos os finais de temporada, em nossas reflexões sobre o que passou e nas intenções para o ano novo, no balanço de perdas e ganhos, sempre fica faltando alguma coisa para fazer ou conquistar, e lamentar algo que ficou pelo caminho. Fazemos promessas para mudar de vida, olhando sempre para cima e para mais longe, buscando novos e cada vez mais difíceis desafios. Por que tem de ser assim por toda a vida, mesmo quando o tempo que nos resta é cada vez menor?
Do jeito que vamos indo, com tudo tendo que ser sempre mais e melhor, todos tendo que vender mais e consumir mais, a economia mundial crescendo sem parar, mesmo em tempos de crise, com cada vez mais carros, aviões, navios, fábricas e usinas poluindo o ambiente, shopping centers se multiplicando como cogumelos por toda parte, lojas, bares e restaurantes lotados, uma hora este nosso velho mundo vai explodir em todos os sentidos.
Como ninguém tem fôrças para mudar o mundo, muito menos para fazer ele parar, poderíamos pelo menos começar a pensar em mudanças possíveis na rotina de cada um de nós. Quem sabe, com o tempo, as coisas não começam a desacelerar e melhorar a chamada qualidade de vida?
Apenas oito anos atrás, o principal objetivo do presidente Lula que assumia o governo era combater a fome, garantindo a cada brasileiro pelos menos três pratos de comida por dia. A desnutrição de milhões de brasileiros ainda era o maior problema de saúde pública.
Nesta sexta-feira,  fiquei sabendo pelo noticiário que 50% da nossa população já está acima do peso e crescem assustadoramente os problemas de obesidade, incluindo o autor destas mal traçadas linhas, que mais uma vez está fazendo tratamento para largar o cigarro, e sofre os efeitos.
Parece o destino daquelas regiões que são assoladas ora pelas secas, ora pelas enchentes. Será que não pode haver um meio termo, um ponto de equilíbrio nas nossas vidas e nas nossas terras, ou este permanente querer mais não será a própria causa das tragédias naturais e humanas que afetam o mundo todo também cada vez mais?
Fiquei pensando em tudo isso num recente retiro espiritual do meu Grupo de Oração ao notar que algumas pessoas estavam falando demais, até mais rápido do que pensam, com opiniões formadas e definitivas sobre todos os assuntos espirituais ou terrenos, como se quisessem convencer os outros de que aquele era o único caminho.
Não só em retiros, que  deveriam ser redutos de silêncio e meditação, mas em quase todos os lugares aonde vou, tenho notado que as pessoas todas estão falando cada vez mais, cada vez mais alto, o tempo todo, sem dar tempo de pensar no que estão dizendo.
Na internet, do mesmo jeito, autores e leitores escrevem cada vez mais comentários sobre tudo que lhes vem à cabeça, repetindo sempre as mesmas certezas, transformando opiniões pessoais em dogmas, como se estivessem querendo criar uma seita de seguidores.
É impossível ler todas as mensagens que me mandam o dia inteiro, todo dia. Às vezes, nem dá tempo de abrir os e-mail para saber do que se trata. Desta forma, estaremos nos comunicando e fazendo entender mais ou menos?
A partir desta constatação, comecei a pensar para quantas coisas poderíamos nos propor menos em lugar de mais neste raiar de outro ano da nossa breve passagem pela terra _ quer dizer, inverter um pouco este jogo de perde e ganha que está ficando cada vez mais chato e perigoso.
Por exemplo: poderíamos começar nos propondo consumir menos, menos tudo. Porque muitas outras coisas estão relacionadas a esta febre de ter e ser mais: trabalhar mais, comprar mais, vender mais, viajar mais, comer mais, beber mais, competir mais, assumir mais compromissos, ganhar mais, poluir mais, querer mais, exigir mais de si mesmo, desmatar mais, buzinar mais, gritar mais, brigar mais, correr mais, jogar mais, blasfemar mais, se estressar mais e, assim, ter mais chance de ir parar num hospital do que chegar à felicidade.
Se não trocarmos todos estes mais por menos, uma hora acabaremos  consumindo a nós mesmos.
Pode parecer incoerência minha fazer esta proposta ao final de um ano estafante de trabalho e compromissos variados em diferentes áreas de atividade, às vésperas da viagem a um dos maiores templos do consumo do mundo. Eu sei, mas só o fato de me permitir tirar duas semanas de férias de verdade com a família já pode ser um bom sinal de mudança.
Espero que não me entendam errado, imaginando que sou contra o progresso da humanidade, um hippie gordo e careca meio fora de época, que está voltando agora de Woodstock. Não estou dando receita para ninguém. Esta é apenas minha intenção neste final de ano, resume o que penso e sinto neste momento, mas cada um é que sabe do seu sonho e da sua dor.
Também não virei adepto destas modas de vida alternativa, pregador da sustentabilidade em comunidades ecológicas, nem pretendo me tornar um vagabundo. Busco e proponho apenas um pouco mais de equilíbrio, aquela história de que menos pode ser mais, qualquer que seja a nossa condição de vida. É uma boa hora para pensarmos nisso. Afinal, não custa nada.
E os caros leitores do Balaio? O que estarão pensando e se propondo para 2011?
O grande barato deste trabalho em mão dupla na internet é exatamente poder saber o que os outros pensam e permitir que as ideias de um leitor possam ser úteis e servir de inspiração para outros balaieiros.
Muito grato a todos vocês por mais um ano de gratificante convívio. Divirtam-se. Até a volta.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

IX Seminário Nacional de História da Matemática IX Seminário Nacional de História da Matemática

O IX Seminário Nacional de História da Matemática (SNHM) será realizado de 17 a 20 de abril de 2011, em Aracaju, Sergipe. O evento é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de História da Matemática, da Universidade Federal de Sergipe e da Universida de São Paulo.
Abaixo o cartaz de divulgação.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A matemática e seus enigmas

Este é um teste que envolve matemática bem simples.

Eu vou conseguir descobrir o resultado final da soma.

Faça e veja como é verdade!

1 - Pense em um número de 1 a 9.

2 - Multiplique por 2.

3 - Some 10.

4 - Divida o resultado por 2.

5 - Subtraia esse resultado pelo número que você pensou no passo 1.

Deu 5.

Foi muito fácil adivinhar, não foi?

sábado, 18 de dezembro de 2010

Educação: Brasil dá vexame agora em matemática e leitura

      Da France Presse, no Portal G1:
      Os finlandeses estão novamente entre os mais bem sucedidos nas provas aplicadas pela Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico (OCDE) em todo o mundo, inclusive no Brasil, voltadas para medir os conhecimentos de ciências, matemáticas e compreensão escrita dos jovens de 15 anos. Os brasileiros, no entanto, não se saíram nada bem nestas provas.
      A boa notícia é que os estudantes brasileiros melhoraram em matemática com relação à pesquisa anterior, mas ainda assim a situação é perigosa: estão na 4° pior colocação entre os 57 países analisados. Em compreensão escrita e em ciências, o Brasil não está em melhores condições: ocupa a oitava e a sexta piores colocações respectivamente. Nos dois casos, os brasileiros estão em posição comparável as de Qatar, Quirguistão, Azerbaijão e Colômbia.

       A terceira edição da pesquisa, já realizada em 2000 e em 2003, envolveu 400.000 jovens dos 57 países que, juntos, representam 90% da economia mundial. Entre os 30 países membros da OCDE, todos participantes deste estudo, a Finlândia ficou na primeira colocação nas provas de ciências e matemática e no segundo lugar no teste de compreensão escrita. Com este resultado, o país nórdico manteve a liderança já verificada em 2003. Em 2006, a Coréia do Sul (1° em compreensão escrita, 2° em matemática e 7° em ciências), o Canadá (2° em ciências, 3° em compreensão escrita e 5° em matemática) e a Austrália (5° em ciências, 6° em compreensão escrita e 9° em matemática) foram os melhores entre os 30 países da OCDE.
      Na outra ponta da lista, os membros da OCDE que obtiveram os piores desempenhos foram Estados Unidos, Grécia e México.